quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Rev. Jimmie Bratcher - Love Running after me

Lindo blues sobre o amor de Deus que nos resgata das trevas.

video

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O blues da encruzilhada, a vanglória e o gloriar-se na cruz.

Por Pedro dos Anjos

Conta a mais famosa lenda do Blues que lá nas bandas do Mississipi, EUA (grande berço desse estilo de música afro-americana) havia um certo guitarrista medíocre chamado Robert Johnson. Ele buscava talento com o instrumento para conquistar fama e sucesso. Certa noite ele foi à encruzilhada das rodovias 61 e 49 em Clarksdale, carregando seu violão. À meia-noite, diz a história, Johnson vendeu sua alma ao diabo, que apareceu na forma de um homem negro, o qual pegou o instrumento e o afinou um tom abaixo, consumando o pacto. Johnson se tornou um grande guitarrista (segundo a lenda por causa do pacto), influenciou inúmeros grandes músicos, mas viveu uma vida devassa, morrendo aos 27 anos.


Essa clássica história me levou a refletir um pouco sobre a inclinação maligna que há no coração de toda a humanidade, de buscar a sua própria glória e encher-se de si mesma, buscando destronar Deus e ocupar o lugar de honra que é devido somente a Ele. Nosso orgulho e vontade de crescer, a busca dos nossos próprios meios e sabedoria foi a causa da nossa queda. Escolhemos voluntariamente virar as costas pra Deus numa constante busca por independência e negação da Sua Glória. Por isso que o pecado é tão grave. Por trás de qualquer pecado há o orgulho e pretensão de dizer que Ele não é tão importante quanto  o meu Eu. E o diabo é um excelente afinador de guitarras, quando elas são na verdade nosso orgulho. Ele sabe como ninguém regar a semente da vaidade e fazê-la crescer.

Nossa vaidade e ganância são enormes, nossos pés correm para praticar qualquer coisa que eleve nosso ego, adoramos ser reconhecidos pelos outros, amamos ser elogiados pelos nossos feitos, perseguimos desesperadamente o sucesso e prosperidade-muitas vezes a qualquer custo. Vivemos em um mundo que não ama, não serve, não se importa e ainda conseguimos nos orgulhar de nós mesmos.

Cristo amorosamente nos chama para nos gloriarmos na cruz, nos despindo de toda vaidade e auto-suficiência. Ele nos chama para viver a loucura do Evangelho. À primeira vista, gloriar-se num pedaço de madeira usado como pena de morte é algo semelhante a gloriar-se na cadeira elétrica!
"Mas longe de mim esteja gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo,
pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo". Gálatas 6:14

Jesus nos convoca para nos gloriarmos no que é um dos instrumentos de morte mais terríveis já inventados, mas que através do amor de Deus nele revelado e do sangue nele derramado, tem poder de nos regenerar e reconciliar com o Senhor e nos tornar vencedores sobre todas as coisas, incluindo a nossa falsa auto-suficiência. Enquanto não nos esvaziarmos de nossa falsa bondade, justiça própria e orgulho de nossa moralidade não poderemos nos encher de Deus. Trago aqui um trecho de um  sermão de Charles Haddon Spurgeon intitulado "Last things":

"Deixe-me levar você lá pra cima, para seu próprio leito de morte, lá talvez a lâmpada brilhará melhor para você. Olhe para as ações que você pensou serem grandes, e pelas quais você se orgulhou de si mesmo – como elas irão parecer no final? Você fez dinheiro, você o fez bem rápido, fez todas as coisas de maneira bem esperta e adorou a si mesmo por isso, assim como muitos outros adoraram a si mesmos por conquistarem nações, forçarem seu caminho à fama, ou atingirem o topo. Agora você está morrendo, e o que você pensa de tudo aquilo? É tão grandioso como parecia ser?"

 No meio da encruzilhada devemos olhar para a cruz, contemplar o Bom Pastor que deu a vida pelas suas ovelhas e nos constranger com o supremo amor ali demonstrado por nós pecadores. Quando vislumbramos a Cruz percebemos que as ações que achávamos grandiosas e das quais sentíamos tanto orgulho não são nada em comparação à ação suprema de Cristo. No final de tudo, como diz o sermão de Spurgeon, nada mais importará, a não ser a Verdade revelada pela cruz. Nossos feitos, nossa fama e conquistas serão insignificantes. No meio da encruzilhada, o diabo se apresentará para "afinar o nosso orgulho um tom abaixo", como ele supostamente fez com o violão de Johnson. Mantenha seus olhos em Cristo, coloque sua vida nEle e Ele o encherá daquilo que realmente importa e nunca perderá o valor: Sua maravilhosa presença!

"A minha alma disse ao Senhor: Tu és o meu Senhor,
não tenho outro bem além de Ti". Salmos 16:2

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Regeneração e Verdadeiro Livre- Arbítrio

 C.H. Spurgeon


O homem tornou-se tão decaído que ele não é capaz de cumprir a lei. É mais fácil o etíope mudar a sua pele ou o leopardo as suas manchas, do que aquele que está acostumado a fazer o mal aprender a fazer o bem (Jeremias 13:23); mas o que o homem não é capaz de fazer, por causa da perversidade da carne, Deus executa dentro dele, efetuando nele o querer e o realizar segundo a Sua boa vontade. Oh, que graça sublime é esta, que, enquanto perdoa nossa falta de vontade, também remove nossa carência de poder!

E, queridos amigos, não é uma maravilhosa prova da graça que Deus faz isto sem destruir o homem em absolutamente qualquer grau? O homem é uma criatura com uma vontade (um arbítrio), um "livre arbítrio" como eles às vezes é chamado, uma criatura que é responsável pelas suas ações; assim Deus não vem e muda nossos corações por um processo físico, como alguns parecem imaginar, mas por um processo espiritual no qual ele nunca arruína nossa natureza, mas torna a nossa natureza correta.
Se um homem se torna um filho de Deus, ele ainda tem uma vontade (um arbítrio). Deus não destrói o delicado mecanismo da nossa natureza, mas ele o coloca na marcha adequada. Nós nos tornamos cristãos com a nossa própria total aprovação e consentimento; e nós não guardamos a lei de Deus por qualquer compulsão a não ser a doce compulsão do amor. Nós não a obedecemos porque nós não poderíamos fazer o contrário, mas nós obedecemos porque nós não queremos fazer diferente, porque nós passamos a nos deleitar nela, e isto me parece a maior maravilha da graça divina.
Ele que pôs o homem no Jardim de Éden e nunca pôs qualquer paliçada ao redor da árvore do conhecimento do bem e do mal, mas permitiu que o homem fosse um agente livre, faz exatamente o mesmo nas operações da Sua graça. Ele deixa o seu povo entregue às influências que estão dentro de cada um, e ainda assim eles andam corretamente, porque eles são tão transformados e renovados pela Sua graça que eles se deleitam em fazer aquilo que antes eles detestavam fazer. Vejam, queridos amigos, como são diferentes o modo de agir de Deus e o nosso. Se você derruba um homem que está vivendo uma vida má, e o põe em cadeias, você pode torná-lo honesto pela força; ou se você o deixa livre, e restringe-o por meio de leis do parlamento, você pode mantê-lo sóbrio se ele não puder adquirir nada para beber, você pode fazer com que ele fique maravilhosamente quieto se você puser uma mordaça na boca dele; mas esse não é o modo de Deus agir.

Eu admiro a graça de Deus agindo assim. Nós teríamos feito o relógio em pedaços, quebrado metade das rodas e feito novas ou algo assim. Mas Deus sabe como deixar o homem tão homem quanto ele era antes da sua conversão, e ainda assim fazê-lo tão completamente um novo homem que as coisas antigas já passaram e tudo se fez novo.

E isto é muito bonito também: que quando Deus escreve a Sua lei nos corações do Seu povo, Ele faz com que este seja o modo de preservação deles. Quando a lei de Deus é escrita no coração de um homem, aquele coração divinamente torna-se propriedade real, porque o nome do Rei está lá, e o coração no qual Deus escreveu o Seu nome jamais pode perecer.

FONTE: Bom Caminho
Publicado por Phil Johnson no site Pyromaniacs.
Fonte original: Trecho de um sermão chamado "A Lei de Deus no Coração do Homem" pregado no dia 28 de junho de 1885 no Tabernáculo Metropolitano, em Londres.
Tradução: Juliano Heyse

Via: Projeto Spurgeon

quarta-feira, 5 de maio de 2010

A alegria de uma vida em unidade com Cristo


 Por Pedro dos Anjos

Sucesso, saúde, conforto, prosperidade, um ótimo emprego, uma reputação, uma religião, ou melhor, um lado espiritual independente de religiões(a moda agora é essa). Ahhh... uma vida realizada. Essas têm sido as preciosidades nas vidas de muitos. Pessoas passam muito tempo perseguindo realizações e seguindo fórmulas para conquistar uma felicidade plena. As teologias que exaltam o "pare de sofrer!"ou o "tome agora posse de sua benção!" lotam igrejas e não é por acaso. Só que a plenitude de alegria não se encontra em nada disso. Isso só torna as pessoas mais e mais cheias de si. Jesus afirma que o nosso coração estará onde estiver o nosso tesouro. É imprescindível ao cristão em sua busca pela alegria que o seu coração esteja em Jesus, que somente ele seja o seu preciso tesouro, é firmada nele que a alegria é real, plena e inabalável.

Diferentemente da alegria fugaz que predomina nesse mundo, a alegria cristã não é baseada em circunstâncias nem é limitada por uma sensação de bem-estar. Ela vai muito além do prazer momentâneo e da falta de preocupações. Podemos chegar a essa conclusão quando nos reportamos a alegria expressa na vida dos seguidores de Cristo na Bíblia, ela era radicalmente louca aos olhos do mundo. Tomemos o exemplo de Paulo. Em meio a constantes aflições e perigos, Paulo tinha o Senhor como fonte de todo ânimo. Em 2 Coríntios no capítulo 11, do versículo 23 ao 29, o apóstolo lista algumas aflições pelas quais passou, incluindo ter sido chicoteado, preso, agredido com porretes, apedrejado, viajado em navios que naufragaram, passado fome e sede. Em tudo isso Paulo buscava se alegrar e animar os outros seguidores de Jesus e podemos ver isso na sua carta em que mais menciona a alegria, Filipenses. Vejamos quão poderosa é a alegria que tem o Senhor como fonte:

                "O meu grande desejo e a minha esperança são de nunca falhar no meu dever, para que, sempre e agora ainda mais, eu tenha muita coragem. E assim, em tudo o que eu fizer, tanto na vida como na morte, eu poderei levar outros a reconhecerem a grandeza de Cristo. Pois pra mim VIVER É CRISTO, e morrer é lucro." Filipenses 1:20-21.

               "Pois ele tem dado a vocês o privilégio de servir a Cristo, não somente crendo nele, mas também sofrendo por ele" Filipenses 1:29              

O sentido da alegria cristã está em olharmos para Cristo, para sua cruz e o engradecermos tanto na nossa vida, quanto na nossa morte. O "viver é Cristo" nos torna plenos e aptos para passar pelo sofrimento seguros naquele que é a razão da nossa esperança, pois o amor dele nos anima. Uma alegria espiritual que não é afogada pelas tristezas inevitáveis dessa vida. Ela também nos faz bondosos e misericordiosos uns com os outros(Filipenses 2:1).

              "E não somente essas coisas, mas considero tudo como uma completa perda comparado com aquilo que tem muito mais valor, isto é,  conhecer completamente Cristo Jesus, meu Senhor. Eu joguei tudo fora como se fosse lixo, a fim de poder ganhar a Cristo e estar unido a ele. Eu já não procuro ser aceito por Deus por causa da minha obediência a lei. Pois agora é por meio da minha fé que sou aceito, essa aceitação  vem de Deus e se baseia na fé. Tudo o que eu quero é conhecer a Cristo e sentir em mim o poder da sua ressurreição. Quero também tomar parte nos seus sofrimentos, e me tornar como ele na sua morte, com a esperança de que eu mesmo seja ressucitado da morte para a vida." Filipenses 3:8-11

O meu sucesso, meu dinheiro, meu emprego, minha saúde, meus relacionamentos, a minha vida ou tudo mais que antes era o meu foco, o meu tesouro, tudo isso é nada em comparação ao valor que Cristo tem pra mim agora. Esse é o pensamento do cristão. Deus vem e quebra todo o orgulho que temos em nós mesmos e em nossas conquistas e o substitui por uma alegria humilde e confiante em sua soberania. Temos o privilégio de viver unidos com nosso Senhor e de participar em seus sofrimentos. Essa alegria na vida dos servos é usada por Deus para transformar vidas, levando-as  a conhecê-lo.

Em seu livro "Em busca de Deus", John Piper mostra como a soberania de Deus é a base da nossa felicidade:
"Deus tem o direito, o poder e a sabedoria para fazer tudo o que o faça feliz. Nenhum dos seus propósitos pode ser frustrado. Por isso, Ele nunca tem deficiência nem necessidade. Nunca está de mau humor nem desanimado. Ele está sempre pleno, transbordante de energia para agir em favor do seu povo, que busca a felicidade nele."[1]

Deus deseja que seus servos sejam plenamente felizes, independentemente das circunstâncias em que eles se encontram. Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados segundo o seu propósito(Romanos 8:28). Através de Jesus, o amor de Deus é nosso e que nada poderá nos separar desse amor. Somos entregues como ovelhas que vão para o matadouro, correndo perigo de morte o dia inteiro. Mas em todas essas situações somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou!(Romanos 8:37). Saibamos que Deus é a fonte da real alegria e que Ele é capaz de transformar mal em bem, tristeza em felicidade. Sua vontade é soberana e em favor de todos aqueles que procuram nele a sua esperança.

Alegrai-vos sempre no Senhor! Repito: Alegrai-vos! (Fl 4:4)

Nota:
[1] PIPER, John; Em Busca de Deus; Sheed Publicações

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Por que os cristãos devem usar suas mentes?


Por: John W. Stott

A primeira razão se apresentará a todo crente que deseja ver o evangelho proclamado e Jesus Cristo reconhecido no mundo todo. Trata-se do poder do pensamento humano na concretização de ações. A História está repleta de exemplos da influência que grandes idéias exercem. Todo movimento de poder teve a sua filosofia que se apossou da mente, inflamou a imaginação e capacitou a devoção de seus seguidores. Basta pensar nos manifestos fascista e comunista do século passado, na obra “Mein Kampf” de Hitler, de um lado, e no “Das Kapital” de Marx e “Pensamentos” de Mao, do outro. A. N. Whitehead resume isso da seguinte forma: Uma grande parte do mundo é atualmente dominada por ideologias que, se não completamente falsas, são estranhas ao evangelho de Cristo. Apregoamos “conquistar” o mundo para Cristo. Mas que espécie de “conquista” temos em mente? Certamente que não uma vitória baseada na força das armas.
Nossa cruzada cristã diferencia-se completamente das vergonhosas cruzadas da Idade Média. Observemos a descrição que Paulo faz dessa batalha: “Na verdade, as armas com que combatemos não são carnais, mas têm, a serviço de Deus, o poder de destruir fortalezas. Destruímos os raciocínios presunçosos e todo poder altivo que se levanta contra o conhecimento de Deus. Tornamos cativo todo pensamento para levá-lo a obedecer a Cristo”. Esta é uma batalha de idéias, a verdade de Deus vencendo as mentiras dos homens. Será que acreditamos no poder da verdade?
Não muito tempo depois que a Rússia brutalmente reprimiu a revolta húngara de 1956, o Sr. Kruschev referiu-se ao precedente dado pelo Czar Nicolau I, que comandara combate à revolta húngara de 1848.
Num debate sobre a Hungria, travado na Assembléia Geral das Nações Unidas, Sir Leslie Munro citou as observações feitas por Kruschev e concluiu seu discurso relembrando uma declaração feita por Lord Palmerston na Casa dos Comuns em 24 de julho de 1849, com respeito ao mesmo assunto. Palmerston tinha dito o seguinte: “As opiniões são mais fortes que os exercícios. Se fundadas na verdade e na justiça, as opiniões ao fim prevalecerão sobre as baionetas da infantaria, os tiros da artilharia e as cartas da cavalaria”... Deixando de lado exemplos seculares do poder do pensamento, passo agora a abordar algumas razões, mais propriamente cristãs, pelas quais devemos fazer uso de nossas mentes. Meu argumento agora é que nas doutrinas básicas da fé cristã, doutrinas da criação, revelação, redenção e juízo, em todas elas estão implícito que o homem tem um duplo e inalienável dever: o de pensar e o de agir de conformidade com o seu pensamento e conhecimento.

Fonte: Crer é também Pensar, John Stott, Ed. ABU
via: Eleitos de Deus

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Em um mundo de mentiras e heresias, seja um cristão que pensa e examina as Escrituras

Por Marcos Sampaio

O apóstolo Paulo escrevendo a sua carta aos Efésios trata de um assunto importante para os nossos dias: “... não sejamos mais meninos, inconstantes, levados ao redor por todo o vento de doutrina”. Creio profundamente que devemos examinar essa orientação bem de perto diante de tantas bobagens adentrando em nossas igrejas como também ensinamentos que não estão de acordo com sã doutrina das Escrituras.
Diz o apóstolo que devemos deixar de sermos “meninos”. Essa colocação paulina é importante ser notada, pois ele usa a figura da criança para falar do nosso comportamento e desenvolvimento como servos de Cristo.
Quais seriam as suas características?

Bem, as crianças são instáveis, volúveis, indoutas. Gostam de novidade, de brincadeiras, entretenimento e agitação; não gostam de ser levadas a pensar e a raciocinar. São predispostas a espetáculos e ao ilusório, mas, sobretudo, tem a tendência de deixar-se enganar pelo que é falso. Assim sendo, parece que a idéia do apostolo era em relação às pessoas agindo e sendo vítimas como crianças em sua caminhada cristã. E quando olhamos o nosso contexto percebemos também no meio evangélico homens falsos, trapaceiros e astutos enganando a muitos com suas simulações e desonestidades, ensinando uma doutrina doente e que na verdade não passam de pessoas que deliberadamente atendem aos seus próprios interesses e crentes instáveis, enredados por qualquer novidade, em busca de coisas prontas, promessas antibíblicas, agitação, crente que não pensa e que não examina as Escrituras, como os bereanos, que liam a Palavra para conferir se o que ouviam eram de fato os ensinos das sagradas Escrituras.

Diante desta lamentável situação não podemos nos comprometer com esses traiçoeiros e atraentes pregadores que dizem que estão falando da parte de Deus e na verdade estão dizendo mentiras e um evangelho distorcido sem o poder de Deus; e devemos lutar contra essa vergonha como se fosse lutar contra a própria peste na terra. Não se desvie por algum ensino pérfido que se mascara com o nome de cristianismo, no entanto, não passa de mentira e estratagema do próprio satanás.

Saí fora dessas perigosas e falsas doutrinas, e seja um crente bereano, maduro, com discernimento espiritual para combater essas idéias filosóficas existencialistas e humanistas que ferem diretamente aos princípios fundamentais da nossa fé cristã.

Termino por agora com as palavras do puritano Richard Baxter sobre as direções e persuasões seguras:

“Se você não quer que a obra da sua conversão venha a ser abortada, uma vez entendido o que lhe é oferecido, 'examine as Escrituras todos os dias para ver se as coisas são de fato assim ou não' (At 17:11).

Assim fizeram os Bereanos, e o texto 'diz que por causa disso creram' (At 17:12). Nós não queremos enganá-lo, por isso não queremos que você aceite qualquer coisa que dissermos, mas aquilo que pudermos provar pela palavra de Deus ser realmente verdade. Não desejamos guiá-lo nas trevas, mas, pela luz do evangelho, queremos retirá-lo das trevas. Assim sendo, não recusamos submeter toda a nossa doutrina a um teste justo. Embora não desejemos que você se torne culpado por desconfiar de nós injustamente, ainda assim, não desejamos que aceite este ensinos importantes e preciosos, confiado meramente nas nossas palavras; porque neste caso, a sua fé seria colocada no homem; e, então seria de admirar que viesse a ser fraca, ineficaz, e facilmente abalada. Você pode confiar em um homem hoje e não mais confiar amanhã; um homem pode merecer o maior crédito de você este ano, mas no ano seguinte pode ser que outro homem, com pensamentos contrários, venha a merecer mais crédito aos seus olhos. Assim, não queremos que acredite em nós mais do que o suficiente para conduzí-lo a Deus, e para que o ajudemos a entender aquelas palavras nas quais você precisa crer.

O nosso desejo, portanto, consiste em que você examine as Escrituras, e teste se as coisas que lhe dizemos são verdadeiras. A nossa palavra nunca alcançará o seu propósito em você, até que veja e ouça a Deus nelas, e compreenda que é Ele, e não apenas homens, quem está lhe falando”.[1]

Pense nisso e examine as Escrituras!.
Marcos Sampaio
________________________________________
NOTA:
[1] BAXTER, Richard; Medita estas Coisas, Editora Clássicos Evangélicos.

Publicado originalmente em:  Olhar Protestante

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Blues

Por Roberto Vargas Jr.

Eu amo blues. Não que não goste de outros estilos. Gosto muito de rock (muito genérico isso, não? bem, digamos que gosto de um rock não muito pop), punk e jazz. Gosto também de música erudita. Mas sou apaixonado mesmo é por blues! Tanto que até inseri um widget no painel à direita do blog com link para uma rádio online cristã que toca apenas este gênero musical (Christian Blues Net).


Há muitos bluesmen que curto muito, mas Glenn Kaiser é, sem dúvida alguma, um dos melhores que já ouvi e é meu favorito. Mais ainda por ser ele cristão e cantar letras cristãs. Gosto de praticamente tudo que ouvi dele, desde a Resurrection Band (não exatamente blues, mas velhos e bons dinossauros, pioneiros do rock cristão, assim como a banda Petra), passando por seus trabalhos solo e em parceria (destacadamente com Darrell Mansfield e Larry Howard, outros dois excelentes bluesmen cristãos), até seu recente trio Glenn Kaiser Band (um rock pesado com grande influência do blues que eles chamam de blues based rock: excelente!).

Sua biografia, a partir do seu site oficial, diz: “Glenn Kaiser tem cantado blues – e às vezes soul, R&B ou rock — desde que tinha doze anos de idade. Com a sua adolescência atormentada por drogas e abuso de álcool, Glenn ficou limpo ao seguir Jesus após um confronto espiritual que mudou sua vida quando estava próximo de seu décimo oitavo ano de vida. Agora, após mais de três décadas fazendo músicas originais, Kaiser é conhecido por seu vocal cru de bluesman, sua impetuosa guitarra, seus solos bottleneck e sua gaita em cerca de trinta gravações e inúmeros shows ao vivo”. Além de seu ministério com a música, Glenn Kaiser ministra como pastor na comunidade Jesus People USA.

Ouça algumas de suas músicas na Glenn’s Radio. E seguem abaixo dois textos seus sobre blues que estão relacionados entre si (links para os originais, em inglês, nos títulos; aliás, confesso que a tradução, à parte da compreensão, não foi muito fácil). Juntos eles são longos, mas são um deleite para quem gosta do gênero e é cristão.

Blues

Eu amo blues porque é a música com base na voz mais humana que eu conheço. Ela tende a ser muito sincera, porque ela "conta como realmente é", em vez de representar ou fingir que a vida é “legal” e sem sofrimento, como se as pessoas sempre tratassem as outras de forma justa, etc. Faz todo o sentido (como veremos) que o blues tenha nascido da experiência negra na América.

As origens do blues remontam a África e ao povo africano. Lá, poucas tribos tinham um alfabeto escrito ou um meio de registrar e transmitir informação entre eles e suas crianças. A principal exceção a isto seriam a pintura, escultura e algumas outras formas arte, tais como dança. Ainda assim, a história falada ou cantada (e, muitas vezes, expressadas em ação) foi o principal meio de comunicação de experiências passadas, bem como apresentar verdades éticas importantes para a tribo.

Todo o drama humano de acontecimentos e de emoções que os acompanham (amor, ódio, medo, confiança, satisfação, desejo) foi dito ou cantado, e daí temos uma base de "cultura oral". Este cenário continuou quando o comércio de escravos separou famílias e tribos, levando muitos africanos para os EUA e para o sul.

Tudo isto tem muito a ver com o blues, pois foi primeiro na sua própria língua nativa, depois num inglês ruim, e em seguida na linguagem coloquial que histórias e princípios foram partilhados no seio dos grupos para os quais eles foram empurrados. É indiscutível o fato de que havia muito sofrimento pela contínua perda da terra natal, lugar e família, além de trabalho forçado, abuso físico e doença. Neste crisol, a esperança em grande parte surgiu apenas como o resultado do Evangelho sendo pregado (por possuidores de escravos, seus ministros e outros) e recebido por alguns dos mais compreensivelmente desesperados povos que a América conheceu.

Em tais condições, como escravos nas plantações, fizeram o que eles nunca tinham feito em sua terra natal. Eles cantavam enquanto trabalhavam, cantavam para se divertir e continuavam cantando, bem como falando, a fim de comunicarem uns com os outros. Para fazer com que o dia corresse um pouco mais fácil. Para libertar algumas das emoções da sua condição por meio de uma das poucas vias deixadas em aberto para eles: a música.

Todos os que escrevem em profundidade sobre este assunto mencionam o “field holler” (nota: a canção dos escravos) e várias outras formas de cânticos, gritos e canções de “chamada-e-resposta” permeando o ar acima das plantações sulistas de algodão (e outros) da época. À medida que o tempo passou e a Boa Nova da salvação foi proclamada, muitos escravos agarraram uma das poucas oportunidades à sua disposição de reunirem-se independentemente, o Serviço Dominical. Bom que muitos proprietários de terras eram cristãos (ou, em maior ou menor grau, cristãos em sua filosofia) e teriam, assim, concedido tal privilégio ao menos uma vez por semana. A regra básica era de que essa reunião seria permitida até que qualquer tipo de revolta de escravos surgisse como resultado. Em tais casos, esses encontros religiosos seriam encerrados.

Em alguns casos, a pregação era feita pelos próprios proprietários de terra. Às vezes, o trabalho do "púlpito" era dado a um orador talentoso entre os escravos. Mas sempre e sempre a música foi cantada. Há registros de muitas destas primeiras igrejas negras que tinham o acompanhamento dos senhores de escravos, ou de alguém de sua família, ou ainda algum empregado, isto se não fossem espiritualmente dirigidas por eles. O acompanhamento era feito para, mesmo que por nada mais, monitorar as atividades e as informações passadas entre os escravos a cada domingo. Como um crente, considero muito interessante ler o que tais brancos que acompanhavam os cultos negros mencionam: seu espanto pelo poder nas vozes e nas músicas que ouviam apenas em tais reuniões. Especialmente este aspecto dessas reuniões em particular foi causa de agitação de consciência e de fé bíblica entre mais do que alguns poucos senhores brancos.

Alguns senhores viram que por meio disso alguns de seus escravos foram ensinados a ler e escrever. Para esses, a Bíblia se tornou uma fonte disponível e muito respeitada, não apenas da verdade espiritual, mas de fato histórico, bem como um livro didático a partir do qual praticar leitura e entendimento.

O que tem tudo isto a ver com o blues? Siga o Filho...


Davi foi um bluesman

Talvez a verdade teológica mais básica já pregada na sociedade afro-americana surge do relato bíblico de Moisés libertando Israel da escravidão de faraó. A óbvia conexão entre o seu quotidiano com o dos filhos de Israel é imediata e absoluta. Deus ofereceu a única esperança de liberdade, quer na próxima vida, nesta, ou em ambas. Eis aqui a SUA história no mais respeitado Livro de todos os tempos! Esperança. Um Salvador. Libertação da dolorosa escravidão. Dignidade restaurada para um povo que, por gerações, não tinha nenhuma.

Outras histórias (José vendido como escravo sem que ele tivesse qualquer culpa, Daniel na cova dos leões, mesmo Sansão e a vitória final de cada um deles) ofereceram a única esperança a essas pessoas que um dia foram fortes e orgulhosas. Enquanto essas pessoas cantavam em grupos, compartilhavam um sentimento de comunidade. Todo mundo sabe que a partilha de um fardo faz que ele seja leve. Por meio da canção, lembretes de comunidade, de graça e de esperança a partir das histórias bíblicas, ajudou a dar a este povo um sentimento de significado, propósito e valor, em um mundo onde, em todo caso, eles estavam no fundo do poço.
É interessante que, se alguém viesse a classificar as canções do Livro dos Salmos em categorias, “lamentos” seria o maior dos grupos. 57 das 150 letras deste livro bíblico falam sobre lutas, problemas e situações negativas. Eles choram, gritam e imploram por libertação. Davi e os outros escritores dessas letras tinham muito em comum com uma cultura escrava, muitos anos e milhas longe deles. Evidentemente, nem todos os escravos seguiram Cristo. Mesmo entre aqueles que continuaram a sentir o peso das suas circunstâncias diárias. A partir de tudo isso foi que surgiu uma forma musical verdadeiramente única conhecida como “The Blues”.

Tenho pesquisado este tema há muitos anos, e posso dizer com certeza que não há um autor (livro, revista, etc.) que venha ao assunto sem certo grau de parcialidade. Eu não sou diferente, e como eu disse no começo, eu amo blues.

Como cristão sou frequentemente questionado sobre o paradoxo na expressão “blues cristão” (nota: blues também significa tristeza). As pessoas de fé por vezes duvidam? Será que aqueles cujas vidas são baseadas na esperança experimentam o desespero? Será que o crente que segue este Deus que se refere a Si mesmo como Amor Encarnado sente dor? Coisas ruins acontecem com eles? Eles são imunes a provações, tristezas e lutas?

Se alguém pensa e se refere honestamente a experiências de vida, não importa quanta fé, esperança e amor que Deus tenha nos dado, a resposta às questões acima são “sim, sim e sim”. O mundo, como nós o conhecemos, é caído. O pecado está presente. A possibilidade de tanto pecado e retidão numa vida com Jesus está sempre presente para todos nós. Para além do pecado, as pessoas também cometem erros. Além das lutas e dificuldades de relacionamento humano, há coisas como doenças, catástrofes naturais, etc. Acho que não há escapar do fato de que, cristãos ou não, certamente a experiência do blues (tristeza) – musical ou social – pode ser e efetivamente é partilhada por todos.

Como forma musical, o blues é básico. As músicas, de doze compassos (um verso ou coro completo normalmente contém doze medidas, três acordes), são básicas, simples e diretas. Independentemente do tempo e da produção, que é imediata e, na maioria das vezes, coisas bastante grosseiras. O mesmo que dizer “despretensioso”, realmente. Tal qual foi afirmado no início do parágrafo, o blues é baseado na voz humana. Se alguém examina um blues padrão, facilmente ouve o violão ou guitarra, a gaita, os teclados e o sax – quando solando (tocando melodias) – soando e muitas vezes ecoando uma sucessão de notas que poderia facilmente ser cantada. Mesmo os instrumentos de base – baixo e bateria – muitas vezes imitam o fraseado do repertório do cantor de blues.

Como ministro de música, tudo o que foi dito acima não é só tocante para mim, mas também oferece um excelente veículo por meio do qual se comunicar as mensagens que eu estou convencido que Deus quer que o meu público ouça.

  1. Como Jesus fazia, é um excelente veículo para contar histórias.
  2. Pode liricamente dar de ombros, rir, apontar a loucura, o desespero e lançar fora a mácula, de tal forma a demonstrar o evidente ou surpreender totalmente o ouvinte.
  3. É amplamente improvisada – isto é, a maioria dos músicos tocam uma forma básica de uma determinada canção e, em seguida, em um concerto ao vivo, mudam tudo com base no que a multidão e eles próprios estão se sentindo –, fazendo coisas novas e interessantes; um pouco arriscado, desafiador e divertido para ambos, artista e público.
  4. Das 150 canções do Livro dos Salmos, 57 (o maior grupo, se os Salmos fossem postos em categorias) são salmos de “lamentos”. Lutas, necessidades, clamor.
  5. Pessoas que raramente ouvem e nunca compram gravações de blues e muito menos assistem shows de blues tendem a AMAR o blues quando elas ouvem um blues de verdade e bem tocado; e estou convencido que muitas das razões são encontradas no ponto acima.
  6. Por último, penso que escrever, cantar e tocar blues é uma coisa instintiva, intuitiva para mim, como você agora deve ter notado.
Eu cresci com recursos da assistência social na região central do Wisconsin. Minha família comprava em lojas econômicas quando não era legal fazer isso. Nós ficamos pobres devido ao meu pai ter sido roubado por um parceiro de negócios, bem como por sua própria doença e várias operações. Casas de fazenda frias, pouca comida e nenhum dinheiro para poupar foi a regra por muitos anos. Meus pais se divorciaram quando eu tinha nove anos. Minha família se desintegrou num espaço de cinco anos, e depois eu tive overdose três vezes, tentei suicídio e, finalmente, clamei por Deus e Sua ajuda e misericórdia... Acho que tive uma boa compreensão do que é a rejeição, o sofrimento, o ódio a si mesmo e a pobreza.

Tocando em bandas, houve um período de três anos em que eu não escutei nada além da música feita por pessoas afro-americanas. Eu simplesmente descobri que o que eu ouvi nesse gênero (blues, soul, R&B) tinha mais substância emocional e verdadeira do que todas as coisas “brancas” que eu havia ouvido ou tocado. Um entrevistador de rádio me perguntou anos mais tarde como eu havia voltado ao rock branco. Minha resposta? “Jimi Hendrix”! Neste ponto nós dois rimos. Eu nunca tinha considerado, antes desse momento, que um músico negro me trouxe de volta para as minhas próprias raízes brancas. Mas, a essa altura, eu já havia tocado em tantos shows e escutado tantas horas de rádio e gravações que a música, com suas nuances e cadências, tinha-se tornado uma parte de mim.

Tenho vivido em uma área bastante difícil de Chicago durante os últimos 23 anos. “Parte de mim” o blues ainda é. E Jesus era “um homem de dores e experimentado no sofrimento”. Isto é tranquilizador, não é?

Dos velhos tempos, do blues acústico, os pais de blues, os que mais me influenciaram foram Blind Willie Johnson, Rev. Gary Davis, Rev. Dan Smith e Joseph Spence. Por quê? Amo as letras, a honestidade, musicalidade e o som em geral. Tenho grande respeito por eles. No blues moderno, eu amo Michael Hakanson-Stacy, Darrell Mansfield e Larry Howard. Cristãos sólidos, grandes músicos, queridos amigos e dignos de respeito. Eles SENTEM o que cantam e tocam. Todos nesta lista o fizeram/fazem a maior parte do tempo. Essa é a resposta simples.

Não posso nem começar a dizer quais Salmos eu amo. São muitos, demais sequer para começar. Quero dizer, são mesmo muito, muito numerosos. 119, 1, 3, 8, 112, toneladas deles. Eu provavelmente leio Salmos mais do que qualquer outra coisa, especialmente nos últimos seis ou sete anos. Normalmente, é o primeiro livro para o qual me volto ao abrir a Palavra a cada dia. Davi, o escritor da maioria dos Salmos permanece meu maior inspirador. É verdade, um pecador, corajoso, idiota, um líder, contrito, caro amigo, sogro amoroso, um pateta concupiscente, o homem segundo o coração de Deus, pastor, um bluesman bíblico, adorador, seriamente feroz sobre Deus ser honrado em primeiro lugar. Que cara!

Soli Deo Gloria!
                                                                                                   Publicado originalmente no blog do Roberto Vargas Jr.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Graça Maravilhosa - A história da música "Amazing Grace"



O Deus que governa a história e intervém na vida dos homens. Glória ao Deus da maravilhosa graça!
Vídeo traduzido pelo http://www.ojovemcristao.com/.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Uma vida iluminada e iluminante


Por Pedro dos Anjos

Nessa segunda-feira me veio a ideia de criar um blog cristão. Logo me vi pensando em um nome para o recém-criado. Cheguei ao conceito cristão de luz. Ela é algo que permeia todas as Escrituras, algo para o qual nós fomos chamados, a maravilhosa Luz de Deus. O nosso chamado foi para viver na luz que é Jesus Cristo e para que pudéssemos refleti-la, iluminando as trevas ao nosso redor.

João, no começo de seu evangelho, apresenta Cristo como essa gloriosa lâmpada viva:
" A vida estava nele e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela." João 1:4-5

"Então Jesus tornou a falar-lhes, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue de modo algum andará em trevas mas terá a luz da vida." João 8:12

Enquanto caminhou nesta terra, Cristo não perdeu nenhuma oportunidade de iluminar a vida das pessoas que cruzaram o seu caminho. Arrependidos , os pecadores experimentavam a transformação e a manifestação da maravilhosa luz nas suas vidas. É realmente isso o que acontece quando nascemos de novo em Cristo. Somos absorvidos por sua luz e o velho homem em nós é destruído. Odiávamos a Deus, mas Ele nos conduziu ao arrependimento e hoje vivemos para Sua glória.

A vida para a qual Cristo nos chamou, não para quando recebemos a Sua salvação. Os seus ensinamentos nos incitam a sermos luz, como ele foi, em um mundo tenebroso:
  • "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus." Mateus 5:16
  • "Pois outrora éreis trevas, mas agora sois luz do Senhor; andai como filhos da Luz (porque o fruto da luz consiste em toda bondade, e justiça, e verdade), provando sempre o que é agradável ao senhor. E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as. Porque o que eles fazem em oculto, o só referir é vergonha. Mas todas as coisas quando reprovadas pela luz, se tornam manifestas; porque tudo que se manifesta é luz." Efésios 5:8-13
Os seguidores de Cristo serão conhecidos por serem seus imitadores. Não podemos nos auto-proclamar cristãos se não há em nós uma busca para refletir a vida de Cristo. Como seus seguidores, somos convocados a resplandecer em nossas escolas, nossas faculdades, nossos serviços, revelando o caráter de Cristo aos nossos amigos e familiares, não perdendo as oportunidades e buscando desenvolver relacionamentos que sejam usados por Deus com o propósito de resgatar muitas vidas que ainda se encontram nas trevas, apresentando-as à Luz que dissipa toda escuridão, por mais densa que ela seja.
Uma vida iluminada porque na sua maravilhosa misericórdia e imenso amor, Deus nos justificou, transformou e nos inseriu em sua Luz, resplandecendo em nosso coração. Uma vida iluminante porque Ele empreende em nós boas obras que envergonham as obras das trevas e um desejo profundo de que por nossa vida, o Senhor seja glorificado em tudo e diante de todos.
Vivamos para a glória de Deus, com alegria e deleite em nosso coração!
Pelo que diz:
Desperta, ó tu que dormes,
levanta-te de entre os mortos,
e Cristo te iluminará.
Efésios 5:14