quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Rev. Jimmie Bratcher - Love Running after me

Lindo blues sobre o amor de Deus que nos resgata das trevas.

video

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O blues da encruzilhada, a vanglória e o gloriar-se na cruz.

Por Pedro dos Anjos

Conta a mais famosa lenda do Blues que lá nas bandas do Mississipi, EUA (grande berço desse estilo de música afro-americana) havia um certo guitarrista medíocre chamado Robert Johnson. Ele buscava talento com o instrumento para conquistar fama e sucesso. Certa noite ele foi à encruzilhada das rodovias 61 e 49 em Clarksdale, carregando seu violão. À meia-noite, diz a história, Johnson vendeu sua alma ao diabo, que apareceu na forma de um homem negro, o qual pegou o instrumento e o afinou um tom abaixo, consumando o pacto. Johnson se tornou um grande guitarrista (segundo a lenda por causa do pacto), influenciou inúmeros grandes músicos, mas viveu uma vida devassa, morrendo aos 27 anos.


Essa clássica história me levou a refletir um pouco sobre a inclinação maligna que há no coração de toda a humanidade, de buscar a sua própria glória e encher-se de si mesma, buscando destronar Deus e ocupar o lugar de honra que é devido somente a Ele. Nosso orgulho e vontade de crescer, a busca dos nossos próprios meios e sabedoria foi a causa da nossa queda. Escolhemos voluntariamente virar as costas pra Deus numa constante busca por independência e negação da Sua Glória. Por isso que o pecado é tão grave. Por trás de qualquer pecado há o orgulho e pretensão de dizer que Ele não é tão importante quanto  o meu Eu. E o diabo é um excelente afinador de guitarras, quando elas são na verdade nosso orgulho. Ele sabe como ninguém regar a semente da vaidade e fazê-la crescer.

Nossa vaidade e ganância são enormes, nossos pés correm para praticar qualquer coisa que eleve nosso ego, adoramos ser reconhecidos pelos outros, amamos ser elogiados pelos nossos feitos, perseguimos desesperadamente o sucesso e prosperidade-muitas vezes a qualquer custo. Vivemos em um mundo que não ama, não serve, não se importa e ainda conseguimos nos orgulhar de nós mesmos.

Cristo amorosamente nos chama para nos gloriarmos na cruz, nos despindo de toda vaidade e auto-suficiência. Ele nos chama para viver a loucura do Evangelho. À primeira vista, gloriar-se num pedaço de madeira usado como pena de morte é algo semelhante a gloriar-se na cadeira elétrica!
"Mas longe de mim esteja gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo,
pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo". Gálatas 6:14

Jesus nos convoca para nos gloriarmos no que é um dos instrumentos de morte mais terríveis já inventados, mas que através do amor de Deus nele revelado e do sangue nele derramado, tem poder de nos regenerar e reconciliar com o Senhor e nos tornar vencedores sobre todas as coisas, incluindo a nossa falsa auto-suficiência. Enquanto não nos esvaziarmos de nossa falsa bondade, justiça própria e orgulho de nossa moralidade não poderemos nos encher de Deus. Trago aqui um trecho de um  sermão de Charles Haddon Spurgeon intitulado "Last things":

"Deixe-me levar você lá pra cima, para seu próprio leito de morte, lá talvez a lâmpada brilhará melhor para você. Olhe para as ações que você pensou serem grandes, e pelas quais você se orgulhou de si mesmo – como elas irão parecer no final? Você fez dinheiro, você o fez bem rápido, fez todas as coisas de maneira bem esperta e adorou a si mesmo por isso, assim como muitos outros adoraram a si mesmos por conquistarem nações, forçarem seu caminho à fama, ou atingirem o topo. Agora você está morrendo, e o que você pensa de tudo aquilo? É tão grandioso como parecia ser?"

 No meio da encruzilhada devemos olhar para a cruz, contemplar o Bom Pastor que deu a vida pelas suas ovelhas e nos constranger com o supremo amor ali demonstrado por nós pecadores. Quando vislumbramos a Cruz percebemos que as ações que achávamos grandiosas e das quais sentíamos tanto orgulho não são nada em comparação à ação suprema de Cristo. No final de tudo, como diz o sermão de Spurgeon, nada mais importará, a não ser a Verdade revelada pela cruz. Nossos feitos, nossa fama e conquistas serão insignificantes. No meio da encruzilhada, o diabo se apresentará para "afinar o nosso orgulho um tom abaixo", como ele supostamente fez com o violão de Johnson. Mantenha seus olhos em Cristo, coloque sua vida nEle e Ele o encherá daquilo que realmente importa e nunca perderá o valor: Sua maravilhosa presença!

"A minha alma disse ao Senhor: Tu és o meu Senhor,
não tenho outro bem além de Ti". Salmos 16:2